Amor Eterno Amor – Capitulo 49

CAPITULO 49 – Segunda-feira, 30/4/12

Gabriel percebe que Miriam sente algo a mais por Rodrigo

Marlene e Mauro estranham o telefonema de Virgílio e se negam a passar informações sobre Rodrigo. Gabriel orienta Rodrigo a se submeter a uma bateria de exames. Juliana, Bruno e Beto se reúnem para conversar sobre o projeto para a revista. Priscila reclama do plano de saúde dos funcionários para Rodrigo e Dimas fica furioso. Beatriz sugere que Regina convide a avó de Michele para a festa de João. Cris ajuda o irmão a escolher as músicas para a festa. Miriam procura Gabriel para saber sobre a consulta de Rodrigo. Laís reclama de dona Olga para Marlene. Virgílio consegue o endereço da ONG Ninho Vazio na internet. Valéria obriga Gracinha a prometer que não deixará Elisa se aproximar de Rodrigo. Melissa não consegue convencer Carmem a deixar a filha com ela até o casamento. Virgílio decide ir atrás de Rodrigo no Rio de Janeiro.

Anúncios

Cheias de Charme – Capitulo 13

CAPITULO 13 – Segunda-feira, 30/4/12

Sandro faz as pazes com Penha

Rosário conversa com Inácio sobre o seu sonho de virar cantora. Naldo e Kleiton lamentam a morte de Socorro. Sandro tenta fazer as pazes com Penha, mas ela o rejeita. Sarmento se anima com a ideia de ter Otto como cliente do escritório. Inácio conta para Rosário que ele e Sidney compraram o Aperitivo Bufê e propõe que ela trabalhe com eles. Penha vai resolver problemas do trabalho quando é avisada por Alana de que Patrick brigou na escola. Ariela vê Chayene no cabeleireiro e se aproxima da cantora. Sidney descobre que o bufê tem uma encomenda pendente para entrega e se desespera. Inácio pede a ajuda a Rosário para salvar o bufê. Sandro chega ao colégio do filho com os amigos e causa uma confusão. Ariela conta para Humberto que ficou amiga de Chayene. Sônia ajuda Cida a se arrumar para o encontro com Conrado. Valda alerta Cida para tomar cuidado com o novo namorado. Sônia e Sarmento recebem Conrado e Máslova em casa. Fabian flagra Rosário cantando enquanto trabalha e fica encantado. Samuel para no hospital por bebedeira e Penha vai buscá-lo no lugar de Lygia

Avenida Brasil – Capitulo 31

CAPITULO 31 – Segunda-feira, 30/4/12

 

Max resgata Carminha do cativeiro

Max resgata Carminha do cativeiro. Nina convence Jorginho a esperar um pouco mais para contar a verdade sobre eles. Cadinho impede Verônica de fotografá-lo. Moreira descobre que Carminha fugiu com Max e manda os seus comparsas em busca do casal. Iran reclama do mau-humor de Monalisa. Silas cai da escada e é levado para o hospital. Adauto e Diógenes comemoram quando Monalisa fala para Silas ir para sua casa. Nina consola Tufão. Suelen tenta afastar Leandro.

Cadinho e Débora chegam à mansão de Tufão e Jorginho fica incomodado. Verônica e Noêmia planejam para que seus filhos namorem. Carminha insiste para continuar escondida. Tubarão não deixa Max sair da comunidade. Moreira encontra Carminha. Zezé vê a patroa ser levada pelos bandidos e a segue. Max convence Moreira a deixá-lo pegar o dinheiro do resgate com Tufão. Zezé avisa que encontrou Carminha.

Conheça o modelo que contracena com Madonna em clipe

O modelo britânico Rob Evans, que esteve no Brasil, é ex-lutador de boxe. ‘Fui campeão do Reino Unido 3 vezes. Lutei 21 lutas e ganhei 21’, conta ele

Bárbara Vieirado EGO em São Paulo

Você reparou em um modelo negro de corpo perfeito que dança e se esfrega em Madonnano novo clip da cantora, “Girl Gone Wild”? Trata-se do modelo britânico Rob Evans, que é ex-lutador de boxe. Ele foi descoberto em um ringue por um fotógrafo que o apresentou ao renomado Bruce Weber e atualmente integra a lista dos 50 modelos mais importantes do mundo do site models.com, além de já ter estrelado campanhas para grifes como Givenchy e Calvin Klein. Rob também já posou – sem roupa- com a top Alessandra Ambrósio para a reviata “Number Tokyo”.

Desde que estreou no videoclipe, Rob ganhou ainda mais visibilidade no mundo da moda. Esta semana ele esteve no Brasil para fazer contatos e fechar contratos para as semanas de moda que vêm aí. Em entrevista ao EGO, Rob conta como foi contracenar com Madonna, diz que era seu sonho conhecer o Brasil e relembra a carreira como lutador de boxe. “Fui campeão do Reino Unido três vezes. Lutei 21 lutas e ganhei 21!”, conta ele.

Rob Evans (Foto: Divulgação)
Rob Evans (Foto: Divulgação)

EGO: Como foi gravar com a Madonna?
ROB EVANS:
 Gravar com Madonna foi uma loucura! Eu assistia a ela quando criança e nunca imaginei estar ao seu lado em um vídeo. As filmagens duraram dois dias.

Você já foi reconhecido nas ruas por causa do clipe?
O vídeo saiu faz aproximadamente um mês, então ainda não. Os profissionais de moda reconhecem, e isso foi muito importante para mim.

Você deixou o boxe para seguir a carreira de modelo ou ainda pratica? 
Eu ainda treino quando posso, mas como viajo muito, fico impossibilitado. Deixei o boxe de lado pois conquistei muito do que queria… em especial viajar. Modelar abriu mais portas para mim e tem sido uma ótima experiência.

O que faz para manter a boa forma?
Não tenho muito tempo para malhar, mas se estou viajando e perto de uma academia, me esforço bastante durante a semana. Por ter treinado boxe por muito tempo, o shape do meu corpo continua sempre o mesmo, somente diminuo pela falta de treino.

Quais lugares do mundo mais gostou de conhecer e quais gostaria de visitar?
O Brasil e o Sul da França foram meus preferidos. Ainda quero conhecer Tóquio e o Egito.

Já conhecia o Brasil? O que achou daqui?
Não conhecia, mas sempre foi um sonho para mim desde que aprendi mais sobre o mundo. Não sabia muito sobre o país, só o que é de conhecimento geral. Amei as pessoas no Brasil, especialmente as mulheres. A cultura, a paisagem, gostei muito! Quero muito conhecer o Cristo Redentor, no Rio.

Qual é o lado bom e qual é o lado ruim da carreira?
Para ser honesto, nunca fui muito bom em seguir ordens. Muitas vezes preciso agir de certa maneira ou mudar meu visual, não gosto muito disto. Gosto de conhecer pessoas pelo mundo e absorver diferentes culturas.

Quais são os seus sonhos?
Ter sucesso em qualquer coisa que faça. Sonhei em ser campeão de boxe, mas quando meu treinador morreu, perdi um pouco de motivação. Fui campeão do Reino Unido três vezes. Lutei 21 lutas e ganhei 21.

Como é o par ideal?
Meu par ideal é uma pessoa engraçada que goste de praticar exercícios e tenha boa personalidade. Ser linda é um plus.

 

 

Jorginho descobrirá que Nina conheceu Carminha antes de ir para mansão

 

Em “Avenida Brasil”, depois de descobrir que o filho, Jorginho (Cauã Reymond), reencontrou Rita (Débora Falabella), Carminha (Adriana Esteves) pressionará o jogador para saber o que sua ex-enteada falou sobre ela. Surpreso com o fato de Nina conhecer sua mãe, o filho de Tufão (Murilo Benício) irá atrás da cozinheira para colocá-la contra a parede, mas não terá sucesso.

Carminha dirá a Jorginho que Rita tem ódio dela porque suas famílias brigaram há muitos anos.

– Teve até jura de morte. Foi violento – mentirá a vilã.

O jogador não entregará que Rita trabalha na mansão, mas ficará muito desconfiado. Ele, então, irá à mansão para ter uma conversa com a ex-namorada.

– De onde você conhece a Carminha? E por que ela não gosta de você? – pressionará.

Nina enrolará o jovem e dirá que Carminha está tentando manipulá-lo com mentiras. O jogador ficará revoltado e insistirá, mas a cozinheira continuará se fazendo de boba. Até que Tufão aparecerá, interrompendo, assim, a conversa.

Fonte: Coluna Patricia Kogut

 

 

 

Prefeitura proibirá outdoors no Centro e na Zona Sul


Decreto da Prefeitura vai combater poluição visual no Rio de Janeiro

Inspirado na Lei Cidade Limpa, de São Paulo, medida será publicada nesta quarta-feira; boa parte da publicidade em lojas e prédios será proibida em 22 bairros do Centro e da Zona Sul

Este slideshow necessita de JavaScript.

RIO – A primeira visão de quem chega ao Rio pelo Elevado do Gasômetro é um anúncio de plano de saúde — a segunda, o Cristo Redentor. Enorme, a propaganda ocupa toda a lateral de um prédio, disputando a atenção com as montanhas do Sumaré e do Corcovado. A poluição visual que suja a paisagem do Rio entrou na mira da prefeitura, mas só no Centro e na Zona Sul. Um decreto que será publicado nesta quarta-feira pelo prefeito Eduardo Paes proibirá boa parte da publicidade em imóveis de 22 bairros. Inspirado na Lei Cidade Limpa, sancionada em São Paulo em 2007, o decreto criará a Zona de Preservação Paisagística e Ambiental (ZPPA), onde anúncios em outdoors, empenas, marquises e no alto de edifícios serão proibidos. Batizado de “Rio Limpo”, prevê ainda que letreiros de lojas, bares, restaurantes, bancos e shoppings tenham tamanhos de um e meio, quatro ou dez metros quadrados, conforme a largura da fachada do imóvel. Apesar do prometido rigor, a legislação carioca é bem mais generosa do que a paulistana, que vale para toda a cidade e se estende até mesmo aos anúncios veiculados em ônibus e táxis.

— O Rio tem uma beleza fantástica e a publicidade briga com isso. É essa ambiência que se quer proteger. Estamos criando a Apac da publicidade. Escolhemos Centro e Zona Sul por serem turísticos, mas a ideia é ampliar o decreto depois de um ano — diz Paes.

De acordo com o prefeito, o princípio será proibir a publicidade em imóveis que possa ser vista da rua. A legislação terá, porém, exceções. O comércio poderá exibir os chamados anúncios indicativos, que levam os nomes dos estabelecimentos, mas limitados no tamanho. Lojas com até dez metros de largura de fachada poderão ter placas de 1,5 metro quadrado. Fachadas de 11 a cem metros de largura poderão ter anúncio com quatro metros quadrados. Já as fachadas com mais de cem metros de largura, dois anúncios de dez metros quadrados cada. Os nomes dos estabelecimentos não poderão ser acompanhados de marcas publicitárias.

A segunda exceção são os totens, que poderão ser usados apenas nos imóveis com afastamento frontal em relação à rua. Eles poderão ter, no máximo, seis metros de altura, e a propaganda será limitada a dois metros quadrados da face dos equipamentos. Propagandas em mobiliário urbano, como bancas de jornais, abrigos de ônibus e relógios, criados para esse fim, continuarão a ser permitidas, assim como anúncios em estandes de venda de imóveis em construção. Banners de peças de teatro e filmes em cartaz também ficarão fora da proibição, mas não poderão ocupar mais que 10% das fachadas.

Rigoroso, mas só com os outros

Implacável com a propaganda dos outros, o “Rio Limpo” será, contudo, complacente com a publicidade do poder público ou com aquela autorizada por ele. Paes disse que peças institucionais da prefeitura serão enquadradas na última das exceções: a dos anúncios transitórios, de eventos de interesse do município, de caráter cultural, esportivo, social ou educativo, autorizados caso a caso pelo próprio prefeito. Como por exemplo as propagandas de projetos como o serviço de teleatendimento 1746, que decora ostensivamente a sede da prefeitura, na Cidade Nova. O município admitiu ainda que a propaganda institucional também poderá ter algum tipo de publicidade embutida, de parceiros em projetos especiais. Um exemplo é o caso do réveillon, que, apesar de ser um evento público, é financiado por patrocinadores.

— Tem o aspecto monetário do valor da paisagem do Rio. A exposição publicitária tem que valer muito onde for permitida — afirmou Paes.

Não é a primeira vez que a prefeitura anuncia normas para tentar frear a poluição visual no Rio. Desde 1985, foram editados pelo menos dois decretos e duas leis municipais com essa finalidade, além do assunto ter destaque na Lei Orgânica do município e no Código de Posturas. Tantas regras, porém, não impediram a proliferação da propaganda. Agora, Paes acredita que a simplificação facilitará a fiscalização.

— A legislação que rege a propaganda no Rio é uma colcha de retalhos, um verdadeiro sururu. Ninguém entende. Assim como o Cidade Limpa de São Paulo, o Rio Limpo é radical e simples. Todo mundo vai poder fiscalizar.

O decreto carioca não será porém tão drástico quanto a lei paulistana. No Rio, os anúncios em ônibus continuarão a ser regidos por uma lei de 1992, que permite cinco peças por veículo. Já a propaganda nos táxis é prevista numa resolução da Secretaria municipal de Transportes, de 2008. Os quiosques da orla também poderão continuar a ter publicidade, normatizada pelo Código de Posturas municipal.

Outdoors, empenas e letreiros no topo de prédios serão os primeiros alvos da prefeitura, que começa amanhã mesmo a fazer a retirada compulsória desses anúncios, mesmo os que tenham obtido licenciamento anterior do município. Com a publicação do decreto, essas licenças perderão automaticamente a validade. Operações especiais estão sendo programadas pela Secretaria Especial da Ordem Pública (Seop). Segundo o secretário Alex Costa, no Centro e na Zona Sul há 30 outdoors, 200 propagandas em empenas e 70 letreiros em coberturas, cujos alvarás perderão o efeito. Já os irregulares são estimados em 25% sobre esses números.

A nova legislação atinge em cheio os condomínios que alugam espaço para publicidade. Um mercado rentável, segundo o vice-presidente de assuntos condominais do Sindicato da Habitação (Secovi) do Rio, Leonardo Schneider, que diz que um espaço publicitário pode valer R$ 100 mil, dependendo do local do edifício, o tamanho da propaganda e o tempo de exposição:

— Lugares com mais gente são mais valorizados. Um letreiro rende ao edifício de R$ 10 mil a R$ 20 mil por tempo de exposição. No caso de empenas, é mais caro. Na Avenida Presidente Vargas, por exemplo, pode ter um retorno de R$ 80 mil a R$ 100 mil. Na Zona Sul, varia de R$ 20 mil a R$ 50 mil.

O “Rio Limpo” enquadrará ainda grandes centros comerciais e shoppings, como o São Conrado Fashion Mall, o Shopping Leblon e o Rio Design Leblon, que têm as fachadas tomadas por propaganda. O mesmo acontecerá com os letreiros de bares e botequins, onde é comum o nome do estabelecimento surgir ao lado de marcas de cerveja. Paes reclamou desse tipo de propaganda que, segundo ele, estaria pasteurizando a paisagem.

— O legal é você ter as peculiaridades de cada bar, os letreiros diferentes. E as cervejarias estão deixando tudo igual — afirma o prefeito.

Os estabelecimentos terão até 180 dias para adequar seus letreiros aos novos tamanhos. Esse prazo vale para os estabelecimentos que possuem alvará das propagandas. Já os irregulares terão apenas 90 dias. Quem não se enquadrar poderá ser multado em R$ 570 por dia. A multa dobra de valor em caso de reincidência.

Fonte: O Globo