Orgulho suburbano

A novela Avenida Brasil, ambientada no fictício bairro do Divino, faz sucesso ao mostrar tipos pitorescos inspirados em personagens marcantes de uma região até então ignorada pelo resto da cidade

por Carla Knoplech e Letícia Pimenta | 30 de Maio de 2012

 

A aposta foi ousada e, a princípio, provocou estranheza. Habituados a ser brindados com imagens de lugares deslumbrantes, os espectadores dos primeiros capítulos de Avenida Brasil se viram diante de sequências gravadas em aterros sanitários, mercados populares, ruas feiosas e prédios toscos. Logo na estreia, em 26 de março, foram exibidas cenas terríveis, como uma morte por atropelamento e o abandono de uma criança aos prantos em meio a montanhas de lixo. Passados dois meses, o choque inicial da trama escrita por José Emanuel Carneiro transformou-se em um sucesso incontestável. Depois de uma largada tímida, com média de 34 pontos no Ibope na primeira semana (3 a menos que a antecessora, Fina Estampa, no mesmo período), a novela bateu em 41 na última medição, divulgada no dia 13. É o melhor índice dos últimos cinco anos para a fase que envolve os 36 capítulos iniciais, importantíssimos para a consolidação da audiência. A agilidade da edição de imagens, a direção primorosa e o desempenho arrebatador dos atores contribuíram para o sucesso. No entanto, há outro fator que faz da produção um ponto fora da curva: a maneira como mostra o subúrbio do Rio. Considerado uma espécie de dano colateral da caótica expansão urbana da capital fluminense, esse imenso território que junta mais de setenta bairros sempre foi rejeitado pelo resto da cidade e, não raro, pelos próprios moradores. Com a notoriedade do fictício Divino, a velha aversão começa a se transformar em simpatia. “O subúrbio se tornou um personagem a mais na história”, avalia Mauro Alencar, especialista em telenovelas da Universidade de São Paulo (USP).

 

Conheceça os personagens na vida real

O subúrbio na TV

Transformar os cenários e ambientes em que as tramas se desenrolam em protagonistas é um recurso que remonta aos romances naturalistas do século XIX. Tais obras tornavam lugares como mercados, edifícios e até cidades inteiras em seres vivos, praticamente dotados de vontade própria. É o que se vê em Avenida Brasil, na qual estrelas como Adriana Esteves, Murilo Benício, Débora Falabella, Isis Valverde e Cauã Reymond incorporam personagens fortemente marcados pelo universo que os cerca, para o bem e para o mal. Em um esforço de verossimilhança, alguns deles chegam a incorporar arquétipos da vida real. O ex-craque da bola gorducho, o patriarca que embarca sem culpa na boa vida proporcionada pelo filho famoso, o aspirante a ídolo do futebol que sonha com uma carreira internacional são figuras-chave do microcosmo que gira em torno de um time de terceira divisão fabricado nos estúdios do Projac. É quase impossível assistir a uma cena do personagem Tufão, vivido pelo ator Murilo Benício, e não reconhecer as peculiaridades incorporadas de atletas de verdade, algumas delas até físicas. É o caso de Ronaldo Fenômeno, nascido em Bento Ribeiro, que se aposentou no ano passado depois de uma longa batalha com a balança. Ele próprio se reconhece em Tufão. “Achei marcante o momento em que ele parou de jogar e tomou a decisão de virar empresário”, conta. Da mesma forma, histórias de superação como a da ex-empregada doméstica Heloisa Helena de Assis, nascida no Morro do Catrambi, na Zona Norte, e hoje proprietária de uma rede de salões de beleza, servem de plataforma para a construção de personagens como a batalhadora Monalisa, vivida por Heloísa Périssé. “O subúrbio que a novela mostra é solar, alegre, tem um tom para cima e um quê de humor mesmo nos momentos mais difíceis. Acredito que é por isso que encanta o público, que se reconhece naquele mundo”, diz a atriz.

 

A fórmula de uma novela de sucesso consiste basicamente no equilíbrio – nem sempre fácil de ser obtido – entre texto, direção, interpretação e produção. Além da sólida combinação dos dois primeiros elementos, Avenida Brasil tem sido particularmente eficaz no que diz respeito ao último quesito. A equipe da novela se esmerou ao trazer para o horário nobre elementos como as falcatruas que infestam os bastidores futebolísticos, as peculiaridades do comércio de quinquilharias nos mercados periféricos e até mesmo os chamados bailes charme, nos quais os participantes seguem um rígido código de vestuário e coreografias ensaiadas. Foi em um embalo desses, realizado em Madureira, que a atriz Isis Valverde, ao observar as garotas na pista de dança, descobriu como deveria interpretar a provocante Suelen, maria-chuteira de plantão da trama. “Tive de mudar minha postura e o jeito de falar. As meninas dali demonstram uma segurança e autoconfiança fora do comum”, afirma Isis. Ela incluiu ainda em seu processo de preparação uma pesada rotina de musculação para incorporar a silhueta exuberante das jovens suburbanas. É esse o biotipo exibido pela estudante de relações internacionais Suellen Monteiro, 24 anos, moradora de Curicica, na Zona Oeste. Alçada à fama depois de protagonizar um ensaio fotográfico pra lá de provocante no jornal popular Extra, em que posou à beira da via expressa mais movimentada da cidade, ela reconhece ter o mesmo ar, digamos, assertivo que a atriz tanto procurou. Só faz uma pequena ressalva. “Não sou mau-caráter como a personagem. Acredito que é possível subir na vida sem apelar para baixarias”, explica a moça, que trabalha como estagiária em um escritório de arquitetura.

 

Shopping em Bangu: exemplo de recuperação em uma área decadente

A ideia de subúrbio que se cristalizou entre muitos cariocas reflete um mundo particular, bastante diferente do que existe em outras cidades. De origem latina, a palavra suburbium surgiu na Roma antiga para designar as colinas onde viviam os ricos e os nobres. Entres os séculos XIX e XX, ela passou a ser adotada na França, na Inglaterra e nos Estados Unidos para designar áreas residenciais de alto padrão afastadas dos centros urbanos, conectadas, em princípio, por ferrovias e, posteriormente, rodovias. Na versão local, o termo passou a ser usado a partir do processo de reurbanização do Centro, iniciado em 1903, o famoso “bota-abaixo”. Com a demolição de quarteirões inteiros, a população de classe média baixa que ali vivia partiu para os arrabaldes ao longo das antigas estradas de ferro Central do Brasil e Leopoldina, dando início a um ciclo de expansão que perdurou por várias décadas. Nos anos 60, a remoção de moradores de favelas da Zona Sul para essas áreas deu à palavra uma conotação pejorativa, da qual nunca mais se livrou. O termo tornou-se sinônimo de uma vasta região periférica que se expandiu pela Zona Oeste, marcada pelo crescimento desordenado e pela violência provocada por criminosos e traficantes. “A situação só começou a mudar recentemente com o aumento do poder aquisitivo da população e a chegada das UPPs”, diz o arquiteto Marcelo Conde, que coordena projetos urbanísticos na região.

 

O subúrbio carioca não é um paraíso e dificilmente será visto dessa forma. Alguns bairros, porém, já despontam como alternativa de expansão imobiliária, com a abertura de novos shopping centers e centros empresariais. É o que acontece em Bangu e Del Castilho, onde velhas fábricas foram revitalizadas com essa finalidade. A instalação de um núcleo olímpico em Deodoro e a construção das linhas de BRT prometem revitalizar trechos antes entregues ao abandono e à decadência. “Sempre houve uma veia empreendedora muito forte entre a população. O que faltava era um impulso na autoestima. A súbita visibilidade alcançada com a novela pode ser uma boa oportunidade para mudar isso”, analisa o geógrafo Márcio Piñon, da Universidade Federal Fluminense e organizador do livro 150 Anos de Subúrbio Carioca. Se depender dos cariocas que inspiraram os personagens do Divino, o orgulho suburbano está mais do que resgatado.

Anúncios

Jorginho interromperá discurso de Carminha aos berros: ‘Sua vadia’

Completamente desorientado depois que descobrir que Carminha (Adriana Esteves) é sua mãe biológica, Jorginho (Cauã Reymond) não só revelará o grande segredo da vilã para Tufão (Murilo Benício), mas irá chamá-la de vadia diante de boa parte dos moradores do Divino. Em cenas previstas para irem ao ar nas próximas semanas em “Avenida Brasil”, quando Carminha estiver anunciando sua candidatura a vereadora no início do baile charme, o jogador invadirá o clube e, completamente bêbado, irá desmoralizar a mãe na frente de todos os presentes.

Tudo começará com uma ida de Jorginho ao lixão. Depois de revoltar-se com mãe Lucinda (Vera Holtz) por ela ter mentido sobre seu passado durante tantos anos, ele sairá vagando. Arrasado, acabará deitado em meio aos dejetos e, em posição fetal, e lembrará do dia em que foi deixado ali pela mãe. Até que sairá do aterro sanitário e comprará uma garrafa de cachaça no primeiro bar que encontrar. Já embriagado, chegará ao Divino Futebol Clube justamente no momento em que Carminha estiver no palco, iniciando seu discurso.

– Hoje, estou me lançando, oficialmente, candidata a vereadora . Eu prometo que serei uma defensora incansável da moral, dos bons costumes e dos valores da família divinense – dirá a vilã.

Até que Jorginho irá interrompê-la, aos berros:

— Quem é você pra falar de moral, sua vadia? Você não tem moral! Essa mulher é uma vadia! – gritará o jogador, subindo no palco e roubando o microfone de sua mãe. — A tua máscara caiu, dona Carminha! Se vocês elegerem essa bandida pra qualquer coisa, vão se dar muito mal! Ela vai trair, vai enganar vocês todos, como fez comigo… Você é uma vadia! A maior de todas as vadias!

A atitude de Jorginho deixará todos chocados e Carminha, em pânico, terá uma crise de choro. Tufão subirá ao palco e agarrará o filho pela gola.

— Moleque! Irresponsável. Ingrato! Depois de tudo que a Carminha fez por você… Engole o que você tá dizendo ou eu te dou uma surra!

Leleco (Marcos Caruso) impedirá que Tufão agrida o filho de criação, tirando Jorginho dali. Tufão irá amparar Carminha e pedirá a Diógenes (Otávio Augusto) que siga com o baile, na tentativa de minimizar o vexame. Já na sala da diretoria do clube, o jogador continuará xingando Carminha, na frente de Tufão e Leleco.

— Ela destruiu a minha vida, é uma bandida, amoral! Vai defender essa jabiraca até quando, hein, pai? Sabe o que você é? Um otário! – contando, em seguida, que Carminha é sua mãe biológica e que foi ela mesma quem o largou no lixão.

Débora (Nathalia Dill) chegará ao local e, para evitar um estrago ainda maior, levará Jorginho embora. Carminha irá simular um princípio de desmaio e, amparada por Tufão e Leleco, será levada para a mansão da família.

José Loreto, de ‘Avenida Brasil’, posa para o EGO com cachorrinha de estimação

O ator foi fotografado na orla de São Conrado, na Zona Sul do Rio.

Este slideshow necessita de JavaScript.

José Loreto posa com Brisa Johnson. ‘O nome dela é em homenagem ao Eri Johson, pois ela também tem uma pinta no corpo’

José Loreto sonha em fazer cinema

O ator vive um garanhão na novela ‘Avenida Brasil’

José Loreto começou a carreira em ‘Malhação’

Na vida real, ele é um menino sério e namora há dois anos

José Loreto tem arrancado suspiros da mulherada com seus músculos e suas tatuagens na novelaAvenida Brasil”. O ator vive o personagem Darkson na trama, um garanhão que seduz as mulheres para fazer com que elas entrem na loja em que ele trabalha para fazer compras. “Está sendo muito divertido. Meu personagem é um sedutor com um ar cômico. Estou vivendo um sonho fazendo essa novela”, diz.

Apesar de o personagem ter muitas tatuagens, Loreto não tem e não pensa em fazer. “Faço tudo na hora. Acho que o ator tem que ter um ‘corpo em branco’ para poder fazer qualquer papel.”

Preparação para novela

Para viver Darkson, José fez aulas de charme (um ritmo musical) e frequentou lojas no Saara, rua de comércio popular no centro do Rio, para aprender como os locutores de loja trabalham. “Fiquei semanas indo ao Saara para ver como eles trabalham lá. Foi muito engraçado, pois levei tão a sério que tinha uma loja que quando o dono ia almoçar, eu que ficava trabalhando de verdade”, conta, aos risos.

Loreto (Foto: Marcos Serra Lima / EGO)
Apesar de mulherengo na novela, o ator garante que
é quietinho: ‘Namoro há dois anos’

Para aparecer com o corpão em dia, José Loreto diz que não faz nada de muito especial. “Nado, corro, faço aula de dança e malho de vez enquando. Se eu malhar muito fico bem forte, e esse não é o objetivo. Acho que está bom assim.”

Apesar de viver um mulherengo na novela, Loreto garante que é bem quietinho na vida real. “Namoro há dois anos e sou muito feliz. Já curti muito a vida de solteiro e agora prefiro ficar em casa e assistir a um filme com a minha namorada. Até levei um pouco da experiência da minha vida de solteiro para o personagem”, comenta.

Sobre as cenas de sexo protagonizadas com Isis Valverde, o ator garante ter tirado de letra: “Foi tudo bem tranquilo, o diretor nos ajudou muito. Assisti ao lado da minha namorada e ela não teve ciúmes. Pelo contrário, ficou orgulhosa.”

Começo da carreira e planos para o futuro

Formado em cinema, José Loreto estreou nas telinhas vivendo o personagem Marcão em “Malhação”, em 2005. “Foi um grande aprendizado. Eu fazia um personagem cômico, mas sem libido. Foi maravilhoso”, diz. Na TV, o ator também participou de episódios de “Macho Man”, “Separação”, e do especial de fim e ano do Fábio Júnior, mas gosta também de teatro e cinema. “Gosto muito de teatro. Já fiz várias peças e tenho um grupo, ‘Proposta A6’. Mas meu grande sonho é fazer cinema e viver da minha profissão”, conta.

Loreto se espelha no ator Marcos Caruso. “Meu grande ídolo é o Caruso. Uma vez fui assistir a uma peça dele e fiquei tão fascinado pela atuação que fiz uma carta e entreguei para ele. Hoje em dia trabalho com Caruso e me sinto muito honrado. Não sei se ele ainda lembra disso e tenho vergonha de falar, mas em breve vou perder a vergonha e contar a história”, diz. “Estou muito feliz na novela e quero que este seja o melhor trabalho da minha vida. Só quero que seja pior que o próximo”, brincou.

Daniel Rocha mostra seu charme em sessão de fotos para o EGO

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vaidoso, Daniel revela que corta as unhas do pé no salão

Daniel Rocha tem namorada, é paulista e tem 21 aninhos

“Gosto de surfar, ler, ver filmes e tocar violino”, comenta ele

Após estrelar cinco peças teatrais, Daniel vive seu primeiro personagem na TV

Daniel conta que viver um homossexual na trama seria um grande desafio

‘Não tenho nada contra as marias-chuteiras’, afirma

Daniel Rocha posa o EGO na praia da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio

“Nas ruas ainda não sabem direito que é o Daniel”, diz ele sobre o assédio

 

 

 

 

Confira o ensaio de Bruno Gissoni para o site EGO

Este slideshow necessita de JavaScript.

Não sou galinha. Prefiro jantar com amigos a sair para balada’

Ele diz que gosta de namorar e que ficaria, sim, com uma fã

Bruno conta que gosta de mulheres ‘carinhosas, inteligentes e engraçadas’

‘Sei que tive sorte’, diz ele, que está solteiro

Enteado de Beto Simas, o Mestre Boneco, Bruno diz que não é tão bom no esporte

Ele chegou a se profissionalizar foi em futebol, mas largou tudo para tentar a carreira de ator

Atualmente sem muito tempo para se dedicar ao esporte, ele mantém o corpo com sessões de musculação

Bruno Gissoni, o Iran de ‘Avenida Brasil’, pratica capoeira desde os três anos

 

 

 

 

 

‘CRÍTICA’: ‘Avenida Brasil’, literatura, dublagens e legendas

Uma amiga escreveu: “Você reparou o livro que o Tufão estava lendo na cama? Kafka, tá meu bem! Leitura bem apropriada para um ex-jogador de futebol, né?”, ironizou. Depois de Kafka, o personagem de Murilo Benício em “Avenida Brasil” devorou “Madame Bovary”, mais famosa obra de Flaubert. Presente de Nina (Débora Falabella), a aparentemente angelical cozinheira cheia de outras intenções além da disseminação das boas páginas no bairro do Divino. Discordo da minha amiga quando ela fala, com sarcasmo, de “leitura apropriada” para um jogador de futebol.

Para gostar de ler, basta ser alfabetizado, seja o sujeito personagem de novela, seja parte do público que a acompanha. Um exemplo é a reação de Tufão a “A metamorfose”: “Carminha, a história desse livro é doida. O sujeito acorda e virou u’a barata!”, disse ele à mulher, carregando no delicioso carioquês suburbano. O ex-jogador entendeu perfeitamente o que leu. Só ainda não se deu conta do recado que Nina quis passar: ele é a barata e virou inseto por obra de Carminha. “Madame Bovary” foi outro toque, dessa vez sobre a infidelidade conjugal da vilã. Se ele ainda não ligou o nome à pessoa, provavelmente isso ainda vai acontecer.

Além disso, esses títulos, convenhamos, podem ser saboreados por qualquer estudante do ensino médio. Não são nenhum “O som e a fúria” com seus hermetismos, nenhum tratado de Arquimedes sobre corpos flutuantes. Quaisquer citações precisam estar integradas ao enredo, do contrário, ficam pernósticas ou didáticas e João Emanuel Carneiro soube fazer isso. Tufão passou pelos devaneios de Emma Bovary e pelo drama do caixeiro viajante arrimo de família Gregor Samsa sem abandonar suas limitações. O autor não corrompeu o personagem como se subitamente ele virasse um bibliófilo. Isso porque a intenção não é divulgar Kafka ou Flaubert e, sim, dar sentido aos planos maléficos de Nina.

Agora é torcer para que Tufão, qualquer dia, ligue a TV que assina no Divino para assistir ao futebol e, zapeando, caia num canal de filmes. Nem que seja para ver algo da linha “Tubarão 7” para cima. Então, como quem não quer nada, ele poderia reclamar da invasão da dublagem na televisão paga. Os programadores podem se convencer de que ler legendas não é bicho de sete cabeças. Como tudo, é aprendizado e hábito. Fica a sugestão.

Oublixado no blog de Patricia Korgut -O Globo

Suelen inventará gravidez e dará um golpe em Leandro e outros três

Depois de passar uns dias sumida, deixando boa parte do time do Divino preocupado com o seu paradeiro, Suelen (Ísis Valverde) retornará ao bairro em grande estilo nos próximos capítulos de “Avenida Brasil”.  Ela passará mal e, levada a um posto de saúde, combinará com o enfermeiro de inventar que ela está grávida.

A periguete vai seduzir o plantonista e o convencerá a contar para os rapazes, na sala de espera, que ela passou mal porque está esperando um bebê.

Leandro (Thiago Martins), Iran (Bruno Gissoni), Darkson (José Loreto) e Diógenes (Otávio Augusto) ficarão pasmos com a notícia. Roni (Daniel Rocha) será o único que não se comoverá com a novidade.

— Ô, Arira… Vem cá, por acaso você tem alguma ideia de quem é o pai do seu filho? Por que a gente podia fazer um concurso! Um convênio com algum banco, um bolão de apostas, sorteio ao vivo na televisão, que tal?

Ao receber alta, Suelen acabará voltando para a casa de Diógenes, onde será tratada com todos os mimos.

E, esperta que é, irá enganar todos os possíveis pais de seu supposto filho. Primeiro, dirá a Leandro que tem certeza que o bebê é seu.

— A gente esqueceu de usar camisinha várias vezes. Eu não queria engravidar de pobre. Mas aconteceu. Podia tirar, né? Mas eu morro de pena!  — dirá Suelen, imediatamente reprovada por Leandro.

Mas logo que o rapaz sair para o treino, ela marcará um encontro com Iran e dirá o mesmo para ele. E, fazendo-se de santa, dirá ao filho de Monalisa (Heloísa Périssé) que criará a criança sozinha, que ele não precisa se preocupar com nada.

—  A culpa é minha, Iran. Quem mandou eu não me cuidar? Você nunca quis ter filho. Ele nem precisa saber que você existe.

Comovido, Iran prometerá a Suelen que pensará num jeito de resolver a situação.

Não satisfeita, a periguete irá atrás de Lúcio (Emiliano D’Avila)  e, depois de comunicar que o filho é dele, dirá que pode resolver a questão se ele lhe der R$ 2 mil.

Por fim, Suelen irá procurar Darkson, dizendo que quer tirar o filho mas que precisa que ele lhe ajude a pagar pelo aborto.

Fonte: Blog Patricia Korgut

Ex-gordinha, atriz de Avenida Brasil ensina a ter corpão

  1. Quem vê as curvas da intérprete de Tessália não imagina que a atriz chegou a ter 20 quilos a mais do que seu peso atual. Foto: Zé Paulo Cardea / TV Globo /DivulgaçãoQuem vê as curvas da intérprete de Tessália não imagina que a atriz chegou a ter 20 quilos a mais do que seu peso atual
Foto: Zé Paulo Cardea / TV Globo /Divulgação

Em meio ao sucesso de Avenida Brasil, da TV Globo, a beleza da jovem atriz Débora Nascimento, a Tessália da novela, vem chamando a atenção não só dos aficionados pela trama, mas também do público masculino, encantado com as curvas estonteantes da morena de olhos verdes.Para dar vida à modelo Tessália, apaixonada pelo sexagenário Leleco, (Marcos Caruso), seu primeiro grande papel na TV Globo, a bela dá um jeitinho de incorporar alguns tratamentos estéticos ao seu a dia a dia. “Sempre que é possível, dou uma corridinha até a academia e também faço drenagem linfática de duas a três vezes por semana para evitar a retenção de líquidos”, diz.

Débora revela que leva uma vida bem disciplinada, que inclui exercícios físicos diários e uma dieta bem equilibrada, sem escapadas durante a semana.

Ex-gordinha na adolescência
Com 1,78 m de altura e 65 quilos bem distribuídos, a paulistana de 26 anos conta que, para ficar em dia com a balança procura seguir estes bons hábitos, sem grandes crises ou neuroses, algo que conseguiu após muitos anos de prática e depois de já ter pesado mais de 80 quilos.

Isso mesmo, a atriz já foi gordinha no fim da adolescência. No entanto, a estrela acabou emagrecendo depois de começar aulas de interpretação e adotar hábitos saudáveis, inclusive no prato.

Débora fez reeducação alimentar, por isso prioriza refeições balanceadas, procura comer frutas e beber muita água diariamente. “Preferi adotar uma alimentação mais saudável. O que quer dizer que, diferentemente de uma dieta, vou seguir com estes cuidados para a vida inteira. Mas, se precisar emagrecer, posso ampliar minha restrição calórica, evitando carboidratos durante a noite e me alimentando de três em três horas”, revela.

Pele bem cuidada e maquiagem na medida
Preocupada com a beleza e a saúde da pele, Débora mantém o bronzeado, mas não deixa de usar filtro solar diariamente. Fora isso, adota alguns cuidados simples para manter a cútis sempre limpa e hidratada. “Procuro usar pouca maquiagem no dia a dia, mas quando tenho de ficar ‘produzida’ por muito tempo, borrifo água termal no rosto para não desidratar a pele. Também procuro tirar todos os resíduos dos cosméticos antes de dormir”, revela.

Como não é adepta de grandes produções, a atriz – casada há três anos com o empresário Arthur Rangel – revela que capricha na maquiagem apenas em ocasiões especiais. No entanto, como toda mulher, não dispensa a companhia diária de alguns itens. “Na minha bolsa não faltam um bom rímel, um corretivo básico e um hidratante labial. Eles são essenciais”, conta.
VEJA AS FOTOS

O segredo de Max

Aos 49 anos e vivendo seu primeiro vilão na TV, o ator Marcello Novaes revela com exclusividade a VEJA Rio sua fórmula para manter o corpo bonito e enxuto. Ela combina uma dieta especial e um ingrediente secreto

por Daniela Pessoa | 01 de Maio de 2012

 

Marcello Novaes: cinquentão enxuto

 

 

Prestes a completar cinquenta anos de idade e trinta de profissão, o carioca Marcello Novaes, que se consagrou como o mecânico Raí na novela Quatro Por Quatro, vive seu primeiro vilão na TV. Até quem não assiste Avenida Brasil sabe que há um casal vigarista sensação no horário nobre. Os golpistas Max e Carminha, amantes interpretados por Novaes e Adriana Esteves na trama de João Emanuel Carneiro, formam uma dupla ambiciosa que não mede esforços para subir na vida. “O Max é um cara muito vaidoso, que aparece bastante sem camisa e vai ficar ainda mais pavão na segunda fase”, conta o galã, que precisou emagrecer rápido para encarnar o cafajeste bonitão. Com exclusividade, o ator revela a VEJA Rio os segredos para manter o corpo de garotão aos 49 anos. Entre eles, a dieta que elimina dois quilos em uma semana e um ingrediente inusitado no café da manhã.

 

Saiba mais: Oito dietas que estão na moda entre os cariocas

Nascido e criado no Rio, Novaes adora praticar esportes como surfe, futebol e vôlei, além de já ter treinado jiu-jitsu. “Quando volto do estúdio sempre dou um mergulho no mar e uma corridinha, não importa o horário. Sou da praia, da natureza”, diz. Quando quer enxugar as medidas para valer, o ator dá duro na academia com um personal trainer e aposta ainda no regime que batizou de Dieta das Sete, que consiste em evitar carboidratos e açúcares a partir das 19h. Em apenas uma semana, o ator garante que consegue perder dois quilos só com a dieta.

 

 

Carminha (Adriana Esteves) e Max (Marcello Novaes): casal de vilões da novela Avenida Brasil

 

 

Além disso, ele investe sempre em um café da manhã saudável, com direito a suco de frutas natural e um segredinho que descobriu há 28 anos: geleia real, produto natural produzido e consumido apenas pela abelha rainha de uma colmeia. “É excelente, porque renova as células e auxilia no rejuvenescimento. Tomo uma colher de café da geleia diariamente, em jejum”, conta o fã das abelhas, que também não dispensa mel e pólen na refeição.

 

 

Raí (Marcello Novaes) e Babalu (Letícia Spiller): casal belo e bem humorado da novela Quatro Por Quatro

Com o corpo sequinho graças à alimentação e esculpido pelos esportes e pela malhação (“sem bomba”, garante), o ator lamenta apenas não ser fã de cosméticos. “Sempre peguei muito sol sem proteção, por isso sou bastante sardento. Minha pele poderia ficar muito mais bonita se eu cuidasse”, diz Novaes, que aderiu apenas ao protetor solar. Das clínicas de estética, o galã passa longe. No máximo, faz uma limpeza de pele, mas dispensa cirurgias e até mesmo tratamentos mais leves. “Minhas rugas são naturais, pretendo envelhecer com a natureza. Admiro os cuidados que as mulheres têm com a aparência, mas confesso que me assusto quando vejo moças descamando por aí”, diverte-se o ator.

Fonte: Veja Rio